terça-feira, 23 de junho de 2009

sexta-feira, 19 de junho de 2009

"NATO and Afghanistan - To act or to collapse, that is the question"

Artigo de Bernardo Pires de Lima, investigador no IPRI, publicado na The Majalla:

As the new US Administration strategy for Afghanistan is being implemented, doubts arise within NATO.  Are the European members of the organization willing to uphold bigger responsibilities in the reconstruction and counter-insurgency effort, as the US eagerly but also sceptically expects them to? In the meanwhile, the bigger picture is the question of whether European leaders are ready to recognize the political and strategic relevance of Central Asia, and act accordingly.

More than twenty years after the Russian defeat in Afghanistan we may see the Atlantic Alliance with the same epilogue there. One may ask why history is so ironic, so repeated perhaps. The answer is quite simple: a powerful state like the Soviet Union, or a powerful alliance as NATO, weren't and are not prepared to act in anarchy. NATO, in particular, is confronted with a dilemma within its members: few of them are prepared to die in Afghanistan, but most of them are not. This is one of the current problems in Afghanistan, mainly in the south, where the insurgency is more visible and the political situation uncontrolled. To achieve a stable territory, NATO must give some proofs of existence, relevance, coordination and strength in Afghanistan and consider, as Obama Administration has done, the AfPak approach. If it does not so, the end of the most powerful and successful military and political alliance in history will be exactly the same as Soviet Union had two decades ago, its collapse. 

The global NATO already exists. What for?

NATO's recent strategic approach has nothing to do with the old one. Since the Balkan wars its global political dynamic has been followed by an ambitious military buildup in regions that are not euro-atlantic in classic terms. Today, roughly 70 000 military personnel are engaged in NATO missions around the world, in places like Afghanistan, the Gulf of Aden, Lebanon, Iraq, Mediterranean sea, Sudan, Somalia or Pakistan. NATO has deep partnerships with Central Asia, Caucasus, Eastern Asia, Australia, New Zealand, African Union and Latin America. This global approach, geographic and politically speaking, means that this strategy has worldwide security logic in the current international architecture. We should ask if this is the right way to achieve NATO's relevance after the Cold War, but we cannot deny that there is still a central place for NATO in international security environment. 
Is commonly accepted that Afghanistan is the greatest NATO's challenge, and that this global approach it's at stake there. I agree with that. But not for an afghan reason, so to speak: it's at stake because there is no such thing as NATO without the euro-atlantic alliance. And this could be the end of Europe's strategic relevance on the international security community.

The European answer

Obama strategy in Afghanistan is likely to include other states, involving some kind of dialogue with Iran and efforts to bring India, the Gulf states and central Asian countries into the field. Moreover, while US are placing demands on Europe to do more, as we saw during the last NATO summit, European governments are coming under increasing domestic pressure to do less.

Although the ISAF mission has grown from 32,800 troops in November 2006 (one month before Robert Gates replaced Rumsfeld at the Pentagon) to 61,960 in March 2009 (with many of these new forces coming from European countries), 18 out of the 25 EU countries participating in ISAF, have increased their deployment since late 2006 - 43% of ISAF's troops. But, as we know, these numbers don't mean stability, but two things: first, the military efforts are not the only answer to the problem; second, the European military buildup need more accuracy on the ground, courage to fight in the critical zones, and political will from all decision makers.

There are a number of ways Europeans can make a difference in Afghanistan, aside from simply sending more troops. They seem to implicitly agree on what it's needed: the negotiation's opening with some of the Talibans, a development-based approach to counter-narcotics, more civilian reconstruction and more and better training for Afghan security forces enabling them to lead the counter-insurgency effort, as well as regional initiatives that include Pakistan, India, Iran and Russia. This should be the medium-term vision.

But short-term approach should be focused to ensure that elections take place on an atmosphere of relative security, particularly at the country's south and east regions. So far, voter registration has been better than expected in southern provinces like Uruzgan, Helmand, Kandahar and Nimroz. But fraud in one part of the country could exacerbate regional and ethnic tensions, with serious implications for a new presidential mandate. Therefore, elections have the potential to undermine much of the progress that has been made since 2001, although being insufficient to provide on their own a new beginning. Conclusion seems obvious: what is needed it's an European military and economic effort during 2009 to ensure that the new President's political legitimacy could guarantee confidence amongst people, economy recovering, peace provided by security and military forces, and the exit door that NATO wants.

Central Asia is crucial to Euro-Atlantic future

There are three stages we should consider about the security link between central Asia and the Euro-Atlantic future.

Firstly, Afghanistan. NATO's role in this century needs a successful AfPak strategy for the next decade. It's not only crucial to its credibility as a multilateral organization at the globalized security architecture, but also to its members, particularly the United States and the preeminent European powers. In other words, the great coalition of the Cold War needs another victory to keep his importance in the global arena.

Secondly, energy supplies. Energy security is one of the core issues which could implode relations among states in the future. European dependence on Russian energy supplies shows how this weapon could be used as a political instrument to balance, divide and change the states behaviour. At the same time, former Soviet republics in Caucasus and central Asia are playing a major role on the dialogue between US and Russia, US and China, and between Russia and China. If one realizes how powerful these three states are and will be in the future, and how their economies will need energy for developing, we are looking to the most relevant region on earth.

Thirdly, the role of Middle East powers. I'm talking about Saudi Arabia, Iran and Israel. They all have interests in central asian countries and some of them are intimately linked to United States. Saudi Arabia and Israel need US security umbrella against Iran, and Tehran need partnerships in central Asia to expand its political influence and improve his economic perspectives: it's the regime question.

We need an exit strategy for AfPak. But we also need to assume that an unsuccessful exit strategy could open a free way in central Asia to other powers. This must be the Euro-Alantic mindset, even if the current economic crisis is a strong reason to do nothing.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

SIMOTAN IV: Relatório da Simulação do Conselho da NATO

Decorreu de 20 a 23 de Maio no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade Técnica de Lisboa (UTL), a quarta edição (consecutiva) da SIMOTAN, a Simulação do Conselho da Organização do Tratado do Atlântico Norte, organizada pela Associação da Juventude Portuguesa do Atlântico (AJPA) e pela Comissão Portuguesa do Atlântico (CPA).
O primeiro dia incluído na simulação, 20 de Maio, ficou marcado pelas chegadas dos participantes estrangeiros e pela realização de um jantar-convívio, de modo a que organização e participantes travassem conhecimentos e partilhassem experiências e expectativas em relação à simulação em si.
A sessão oficial de boas-vindas teve lugar na manhã de dia 21, onde o Vice-Almirante Alexandre Reis Rodrigues (Secretário-Geral da CPA), o Professor Victor Marques dos Santos (Docente ISCSP/UTL) e Samuel de Paiva Pires (Presidente da AJPA e Vice-Presidente da YATA) proferiram palavras de agradecimento e remeteram para a importância do evento, mantendo, desta forma, intactos, os valores atlanticistas
Partindo para a sala do Conselho, foi, então, apresentado o cenário de crise deste ano, que juntou na mesma mesa as equipas de representantes oficiais da Alemanha, Croácia, Estados Unidos da América, França, Itália, Noruega, Polónia, Portugal, Reino Unido e da Turquia, de modo a alcançarem um consenso a propósito de uma crise política na Mauritânia.
O antigo Presidente mauritano, Sidi Mohamed Ould Cheikh Abdallahi, promoveu no território um golpe de Estado que acabou falhado, numa tentativa de voltar a ganhar poder. Este suceder de acontecimentos provocou profundas instabilidades políticas internas. Porém, o golpe terminou num motim, tendo sido apontadas inicialmente 40 mortes. O Presidente Ba Mamadou dit M’Baré não hesitou e acusou tanto o Senegal como a França por apoiarem a tentativa de golpe de Estado.
Entretanto, o exército mauritano invadiu bases militares francesas e prendeu tropas francesas estacionadas no país. Apesar do Senegal e da França negarem qualquer envolvimento, este último exigia a libertação das suas tropas e pedia o apoio da NATO, ao mesmo tempo que a tensão aumentava na fronteira mauritano-senegalesa. 
Confrontados com esta hipotética realidade, os 24 (vinte e quatro) participantes começaram a preparar o primeiro dia de trabalho, atentando particularmente à definição das posições iniciais e à tomada de decisões de salvaguarda dos seus interesses estatais.
Na sua maioria, os representantes de cada Estado constataram que se encontravam num conflito internacional que poderia originar graves repercussões, apesar de se mostrarem solidários com a França, apoiando ou a intervenção da NATO, ou a monitorização das fronteiras mauritano-senegalesas. O desrespeito pelos Direitos Humanos foi por várias vezes invocado, embora a crise em si não espoletasse a intervenção do Artigo 5º do Tratado do Atlântico Norte.
O plenário manteve a discussão, onde se debateu a total cooperação estatal, as conversações diplomáticas e a monitorização tanto das fronteiras, como dos portos, sem, no entanto, se chegar a alguma decisão unânime. Assim, tinha chegado ao fim o primeiro dia de simulação.
O dia 22 de Maio começou com uma conferência de imprensa, na qual foram postas quatro questões rápidas às delegações polaca, turca, portuguesa e norueguesa, relativamente a afirmações controversas prestadas no dia anterior. 
Porém, uma instant press release veio a declarar o envolvimento da França numa tentativa falhada de salvamento das suas tropas estacionadas na Mauritânia. Seguiram-se as conversações e a consequente incriminação francesa pela acção unilateral. Chegou a considerar-se a presença da França no Conselho como comprometedora. Contudo, as opiniões divergiram ainda mais, uma vez que uma facção optava pela intervenção militar enquanto outra optava pelo diálogo diplomático, encontrando no Mali uma zona chave para conversações com a União Africana.
Nessa mesma tarde, foi proposta e votada a intervenção efectiva da NATO na região. Todavia, uma segunda instant press release foi posta a circular, condicionando a moção. Nesta nota da imprensa, o actual Presidente da União Africana, Muammar al-Gaddafi, afirmou que aceita observadores da NATO no território, mas que não tolera qualquer ingerência nos assuntos internos de qualquer Estado da União Africana, dado que a França causou o problema inicial e que a União Africana tem capacidade de tomar providência da situação.
Com estas declarações e após uma segunda conferência de imprensa, o Conselho não chegou a um consenso e aproveitou o jantar e o passeio nocturno por Lisboa para descontrair e arranjar forças para o derradeiro dia.
Sábado, dia 23 de Maio, abriu com a apresentação dos últimos testemunhos e com a elaboração de uma proposta final, que acabou por ser aprovada por unanimidade. A moção apresentada pelos Estados Unidos da América, pela França e pelo Reino Unido apelou à acção da União Africana na zona de crise num espaço temporal de 48 horas, de modo a socorrer as tropas francesas capturadas. Caso contrário, seria a Organização do Atlântico Norte a tomar as rédeas da acção. A proposta indicou, também, um encontro diplomático entre o Mali, o Senegal, a União Africana e observadores do Conselho do Atlântico Norte, para garantir a estabilidade política na Mauritânia, tentando igualmente aí restaurar a democracia.
Antes da sessão formal de encerramento com o Dr. Jorge Girão (Comissão Portuguesa do Atlântico), com o Professor Victor Marques dos Santos e com Samuel de Paiva Pires, e da entrega de diplomas, foi ainda promovido um pequeno show de stand-up comedy, levado a cabo por Paulo Cardoso (AJPA), onde foram expostos os momentos mais distintos e hilariantes da Simulação.
A Simulação chegou oficialmente ao fim depois do agradável almoço no Páteo Alfacinha, marcado pelo espírito de união e de partilha vividos nos três últimos dias. Fica na memória a possibilidade de um grupo tão distinto se ter cruzado connosco nesta Lisboa tão sui generis
Um muito obrigado em nome da AJPA e da CPA. Ansiamos para que voltem.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Governo quer António Vitornio no "comité de sábios" que vai elaborar o novo conceito estratégico da NATO

(imagem tirada daqui)

Notícia do Público:

O Governo propôs o nome de António Vitorino para integrar o futuro "comité de sábios" que vai elaborar o próximo conceito estratégico da Aliança do Tratado do Atlântico Norte (NATO), que será aprovado na cimeira da Aliança a realizar em Portugal em 2010 ou 2011, disse o representante diplomático português na NATO, embaixador Fernandes Pereira.

A proposta não significa que Vitorino venha efectivamente a integrar o grupo que terá por responsabilidade definir as linhas mestras das prioridades estratégicas da NATO para os próximos anos. Esse comité não terá representantes de todos os países e integrará "entre dez a 15 membros", disse o porta-voz da NATO, James Appathurai, num encontro com jornalistas portugueses em Bruxelas.

O novo conceito estratégico poderá abranger uma revisão do princípio das decisões por consenso em vigor desde a fundação da NATO em 1949. "Não existe um consenso quanto à alteração da regra do consenso", disse Appathurai, confirmando porém que alguns países gostariam de ver alterado esse princípio para agilizar processos de decisão. Uma eventual alteração desse princípio nunca abrangeria os principais níveis de decisão estratégica e situar-se-ia sempre "abaixo do nível do Conselho do Atlântico Norte", disse.

António Vitorino foi convidado pelo secretário-geral da aliança, Jaap de Hoof Scheffer, a participar num seminário a 7 de Julho, que será o primeiro passo da discussão do próximo conceito estratégico da NATO. No entanto, o processo de elaboração do novo conceito será conduzido pelo próximo secretário-geral, o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen, que assumirá funções em Agosto.

A fragata portuguesa Corte Real vai entretanto deixar as operações de combate à pirataria ao largo da Somália a 28 de Junho, devido à substituição da força da NATO comandada pelo navio português por uma outra força que permanecerá no local por um período por enquanto indeterminado.

domingo, 14 de junho de 2009

Para onde caminha a Sociedade Internacional?

Uma simples reflexão que fiz n'Um Blogue do Caraças, fica aqui para posterior debate.

"Infelizmente, os exames têm-nos consumido mais tempo do que aquele que gostaríamos, gostaríamos de discorrer sobre os mais variados tópicos, desde reflexões que nos atormentem a variados factos da actualidade. Infelizmente o blog tem tido que ficar para segundo plano.
Desta, venho apenas deixar dois tópicos que um dia gostaria de aprofundar. Na verdade podem ser resumidos num só: a regionalização num mundo global. Por regionalização falo das regiões no plano internacional e não no interno. Tenho vindo a constatar que muitas questões anteriormente globais se têm tornado cada vez mais regionais, desde crises a simples processos de cooperação internacional. Não sei se este fenómeno se deve a mero senso comum, se à queda do bloco soviético ou se à crescente ineficácia ou não adaptação ao século XXI da ONU.
No entanto creio que é um tema que merece reflexão. E gostaria um dia de o abordar segundo duas perspectivas menos comuns.
Não acabará esta crescente divisão do mundo por blocos regionais por dar razão a Churchill quando ele em vez de uma organização universal defendia a organização da paz mundial segundo organizações regionais?
Por outro lado, Houshoffer, mais do que Mackinder, concebeu uma geopolítica do mundo que acabaria eventualmente por ser assente em grandes blocos regionais.
Será que o idealismo no qual se assentaram os destinos do mundo não foram perpetuados por um mundo polarizado e agora que um e outro se dissiparam se está a abrir o caminho para um mundo regionalizado? Será a construção de tais directórios algo de todo positivo? É bom o abandono de uma organização, pela quase-ineficácia (por causa do número de membros), sendo que essa se deve ao seu maior sucesso?
Numa reflexão preliminar sou levado a afirmar que uma regionalização não é necessariamente má sendo que o abandono das Nações Unidas e dos seus ideais já representa um mundo onde não quero viver. Reestruture-se a ONU ou crie-se uma sucessora digna. Não podemos permitir que se chegue a um mundo global demarcado de valores e ideais baseado apenas no salve-se quem puder, abrindo caminho, quiçá, para uma terceira grande guerra."

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Convite - 14.º Seminário da Associação da Juventude Portuguesa do Atlântico

Caríssimos colegas e amigos,

A Comissão Portuguesa do Atlântico e a Associação da Juventude Portuguesa do Atlântico têm o maior prazer em convidá-los a participar no 14.º Seminário da Associação da Juventude Portuguesa do Atlântico.

Este ano o Seminário terá lugar na Escola Naval, no Alfeite, perto de Lisboa, entre 1 (chegadas) e 8 (partidas) de Agosto, subordinado ao tema "Drafting NATO's New Strategic Concept". 

Para obter a documentação necessária para efectuar a candidatura solicitamos que nos envie um e-mail para samuelppires@gmail.com e/ou secretariadoajpa@gmail.com.

Com os melhores cumprimentos