sexta-feira, 29 de maio de 2009

A posição do Conselho Atlântico Norte face à iniciativa norte coreana

Como sabemos, nas últimas semanas têm ocorrido desenvolvimentos numa zona de grande instabilidade, as “Coreias”. A estabilização da região parece novamente posta em causa na sequência do plano de testes de mísseis balísticos e militares anunciado no dia 25 de Maio de 2009.

Estas acções, levadas a cabo por Pyongyang, colocam sérios desafios para a paz, segurança e estabilidade na região da Ásia-Pacífico. Como tal, têm vindo a ser globalmente condenadas pela comunidade internacional. Estas acções, não podemos esquecer, ocorrem durante um período em que a Comunidade internacional está a debater seriamente os novos passos no controlo de armamento global, desarmamento e não-proliferação de armas de destruição massiva. 

Neste sentido, e uma vez mais, a Aliança Norte Atlântica apela ao governo de Pyongyang para cumprir com as suas obrigações internacionais. O Conselho do Atlântico Norte aconselha, portanto, que a Coreia do Norte ponha em prática as Resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e destrua as suas armas nucleares e programas relacionados de uma forma irreversível. Pede-se então a Pyongyang que evite qualquer outra decisão que possa contribuir para o aumento das tensões, devendo assim apostar em restabelecer o diálogo dentro daquilo que é conhecido pelo Six-Party Framework. A Aliança continuará assim, cuidadosamente, a acompanhar os desenvolvimentos futuros com profunda preocupação.

Podemos então dizer, que o Mundo está de olhos postos na Coreia do Norte, esperando atentamente pelas reacções do governo de Pyongyang. Espera-se, portanto, que todo o criticismo em torno destas acções consiga ter efeitos práticos junto das intenções norte coreanas, contribuindo assim para uma nova estabilização de uma zona que desde há muito busca a calma e a serenidade necessárias para viver em paz.


Já podem visualizar os vídeos da SIMOTAN IV no nosso canal do Youtube.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Entrevista ao Professor Victor Marques dos Santos

Entrevista concedida pelo Professor Victor Marques dos Santos à AJPA, 12 de Maio de 2009.

Victor Marques dos Santos. Professor Associado com Agregação. 
Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade Técnica de Lisboa.

How do you feel NATO handled the transition into a post-cold war era?

The end of the cold war faced NATO with an awkward scenario where the classic enemy had apparently vanished. Althoug the western approach and mindset over security and defence remained the same, soon the revision of the strategic concept became unavoidable. This was based on the available prospective and on the evolutionary perception about new challenges related with the new and different nature, scope and reach of risk and threat management. This was also increasingly related with new global issues and the need for solutions through which governments are evaluated and legitimized by their constituencies. 
Handling the transition is still under way, but it has entered a new phase. The hopeful predictions of the immediate post-cold war era didn’t materialize as expected, and the transition process is still unfolding. The cold war era and the inherent international order have not been replaced by a “new world order” that we can deal with from a classic conceptual perspective, through a static framework of analysis. 
The present situation implies handling an environment characterized by uncertainty, and sustained interactive processes of dynamic and synergic change. In this new context, NATO must develop a proactive public diplomacy effort, devising innovative ways to ensure sustained public acceptance, support and credibility as a reliable and legitimate player, to promote and provide security, while improving its visibility and image among friends and partners. NATO must be portrayed as being a part of the solution, through an increasingly flexible and diversified performance capacity, by responding to the new issues and challenges often involving non-military missions.

Talking about past and future enlargements, do you support them?

The post-cold war era enlargements have proven to be successful. The partnerships and other relational frameworks and joint instances created and implemented with third countries, seem to be of the utmost importance for a deeper, transparent, mutual understanding, fostering cooperation, improving confidence building measures and gradually replacing mistrust and confrontational attitudes by reciprocal acknowledgement and dialogical settings. Any new enlargements must ensure that this acquired assets and the new the relational environment built so far, are maintained and improved. NATO Allies also face the responsibility to contain, manage and help to settle potential crises, maintain and improve strategic stability in areas of interest where failed states are unable to provide it. Member states’ constituencies are now increasingly “attentive publics”, electorates and tax payers that understand how foreign policy decisions impact their lives. Therefore, it’s becoming increasingly difficult for policy-makers to seek legitimization of provocative actions, moves or attitudes that, in the eyes of the international public opinion and of the transnationalized civil society, would seem unjustified and contrary to their perceived interests, namely by jeopardizing their security. 
The logic behind future enlargements must conciliate the core and binding objectives of member states’ defence and security, as consecrated by the Treaty, with other interests resulting from the new geopolitical environment and the inherent economic evolution, namely the access to basic resources, and institutional, social and political stabilization of certain geographical areas. The U.S.’ new “balanced strategy” principles, aims and objectives, as well as the other NATO countries strategic perceptions, will certainly impact and influence the logic of future enlargements, in defining the conciliation terms of those states’ own interests and strategic visions, with the Treaty’s principles, objectives and tactical adaptations. In any event, future enlargements must equate the convenience of new “out-of-area” memberships with the possibility of developing special relationships, such as operational and tactical cooperation agreements under new partnership frameworks. 

Do you think NATO’s enlargement should be focused on other areas? Say the southern area of the North-Atlantic for example?

This is an area of obvious interest, where the partnership agreements versus membership options should be equated. If, on the one hand, the “out-of-area” concept seems to have lost its operational meaning, on the other hand, the Treaty in itself, sustains the original binding principles and commits member states to certain obligations that may be reassessed and rearranged through specific agreements, and adapted to regional and state agendas and requirements. This will ensure strategic and operational cooperation, based on mutual interests, without the need to resort to full membership. 

What do you think about NATO’s involvement with Russia? Which path do you think the relationship between the two should take in the 21st century?

Regardless of its strategic implications, this issue still involves perceptions and objectives determined by a strong psychological component. The relationship between NATO and Russia cannot be assessed without taking into account the sharp differences of attitude underlying each one’s approach path to the present stage of the relationship. These differences will remain and its effects will persist, for as long as we don’t recognize that Russia hasn’t overcome de debacle of 1989-1991, and that the West holds, and frequently reasserts, an expanding posture emboldened by the power void resulting from the same course of events. This attitude has allowed for Russia’s legitimate and powerful argument, as well as for a nationwide condoned incentive, to redress itself and regain its pride through the return to its old superpower statute in the community of nations. Russia is showing both the remaking of its military might and its capability to condition its neighbours’ economic interests through energetic dependency, and strategic interests, as well as through its active participation in all the formal and informal international decision making instances.
But by achieving international recognition as an inevitable player, Russia will also be led to identify areas of mutual interest, namely strategic cooperation with the Europe and the West that will come to be dealt with in a constructive manner. The 21st. century is bound to reveal new common threats, interests and objectives as fast growing and complex interdependences become the earmark of the global relational setting. This may determine potential alignments and common agendas, that will foster mutual perceptions about the need to expand common ground to agree upon, identify and limit the areas of consensual dissent, and develop innovative ways to manage conflict, limit damage and improve the stabilising effects on the overall relationship.

How do you foresee the future vis a vis a coexisting NATO and European Defence Force/Army?

I think that operational advantages, interchangeable commands, control systems, equipments, sharing information, viewed through an economy of scale concept, must be central to the criteria for an interactive, synergic and complementary coexistence. The different nature, purpose, scope and reach of each of the two entities cannot be separated from the very different origins and evolving character of each one’s own dynamics and enlargement processes. The undeniable importance of defence and security should also determine the level of commitment of the EU member states to NATO, especially relating to perceived and identified “out-of area” interests.

What would you guess to be NATO’s main challenges and threats in the 21st century?

Prospective is difficult when the century is only nine years old. Experience shows that predictions tend to set up scenarios that remain as such and rarely materialize. Today’s threats may not be the ones of tomorrow. Socio-economic evolutions, migrations, resource depletion and scarcity, climate change, environment and ecological degradation, demographics and the access to basic survival related resources like clean water and food, will change perceptions, priorities, attitudes and collective behaviour, values and mentalities. Terrorism in all its forms and shapes, piracy local insurgencies and anti-social behaviours in urban and rural areas, both in industrialized and developing countries, as well as mass migrations originated either by conflict or by those needs and survival imperatives, are just a few examples of the instability and the consequences of change. 
All these factors are potential threat multipliers. They are also bound to reshape the geopolitical setting through the geographically as well as institutionally differentiated allocation of power. The ensuing polarization and proliferation of displaced power centres will depend on the re-evaluation of resources deemed crucial to meet the inevitable needs of each actor, giving way to the identification of new power factors in competition with military might.
However, may be the greatest challenge for NATO will be its members’ perceptions and political will to steer and correct course in a dynamic, sustained and permanently adaptive way, in order to forestall potential crises and conflict drivers as they unfold, by anticipating the new patterns of change. To achieve this performance at operational level, the Alliance needs to be revitalized, and the transatlantic relationship should be rebalanced. 
The decision makers’ perceptions about change should lead them to try to conciliate each one’s national interest with both the Alliance needs and the global community imperatives. This won’t happen if political leaders retain a cold-war-era-like mindset and the corresponding framework of analysis, by trying to adapt obsolete conflict resolution instruments and strategies, to a globalizing scenario whose requirements go far beyond the “business-as-usual” attitude of situational threat awareness and operational preparedness. 
In the new century, the correct perception of the sustained dynamics of change and the inherently inevitable need for interactive complexity management, become crucial and can only be attained through innovative, communicational, informational interactive and synergic processes and instruments. Dynamic interactive perceptions and critically, mutual knowledge, should be regarded as enhanced drivers for change, rather than as improved power factors.

quarta-feira, 20 de maio de 2009


Sigam-nos ao longo dos próximos dias em que publicaremos posts, fotos e vídeos!

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Estágio na NATO: Boas Ideias podem fazer a Diferença

A NATO, como todos sabemos, criou no ano de 2004 o Internship Programme. Este programa, essencialmente, consiste no recrutamento de um reduzido número de estudantes, para desempenharem funções integrados no Staff Internacional da Aliança, nos seus Headquarters em Bruxelas. Importa, no entanto, referir que, normalmente, os estagiários mantém o seu relacionamento com a Alinça, embora muitos deles encontrem posições de destaque fora da Organização.

A duração dos estágios é, normalmente de seis meses, sendo que as candidaturas estão abertas a partir do dia 6 de Junho de 2009 e o estágio deve ter início ou em Março ou em Setembro de 2010. As candidaturas devem incluir o Currilum Vitae, uma letter of motivation e a application form deve estar correctamente preenchida tal como indicado no website.

A razão de ser deste artigo surge no sentido de mostrar que existe todo um leque de oportunidades concedidos pela Organização para aqueles que são, de facto, interessados na compreensão actividade da Organização e que, como tal, têm como objectivo procurar perceber como funciona de determinada forma, porque toma certo tipo de decisões, como justifica essas mesmas decisões.

Assim, a possibilidade de realizar um estágio nos Headquarters da NATO em Bruxelas é uma oportunidade que não deve ser desperdiçada, visto que, permite a essas pessoas, in loco, comprovar ou refutar as ideias que têm sobre esta Organização de tão grande relevância na estabilização da Sociedade Internacional.~

Neste sentido, não exitem. É uma excelente oportunidade, que como tal deve ser aproveitada no sentido de melhor compreendermos o complexo sistema das relações internacionais e a constante complexidade no relacionamento entre os diferentes actores que nele se encontram inseridos.

sábado, 16 de maio de 2009

A Youth Atlantic Treaty Association a inovar

A Youth Atlantic Treaty Association (YATA) num esforço para integrar os seus recursos e disponibilizar de forma facilitada o acesso à informação está agora presente em diversas plataformas.

Para além do Site e do Blog, podem também seguir a  YATA no Facebook, o Blog da YATA no Facebook (podem tornar-se fãs na aplicação Networked Blogs), YATA no Twitter (agora com o feed RSS redireccionado a partir do blog), e ainda o canal da YATA no Youtube.

terça-feira, 12 de maio de 2009

O Secretário Geral da NATO visita os Balcãs Ocidentais

O Secretário Geral da Aliança Atlântica visitou nos dias 7 e 8 de Maio os Balcãs Ocidentais, tendo viajado primeiramente para a Croácia e Eslovénia antes de fazer a sua paragem na Albânia e na Antiga República Jugoslava da Macedónia no dia seguinte.

Foi uma visita curta em termos de tempo de “discussão”, de contacto e debate com os vários lideres políticos mas, e por outro lado, foi longa no que diz respeito aos imensos temas que foram alvo de discussão. Neste sentido, a integração Euro-Atlântica, a situação na região e a actual agenda da NATO constituiram temas recorrentes nos vários encontros oficiais.

Na sua visita à Croácia, teve a oportunidade de reunir com o Primeiro-Ministro, Ivo Sanader, bem como com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Gordan Jandrokovic, com o Ministro da Defesa, Branko Vukelic e com Deputy Speaker do Parlamento Croata, Vladimir Seks. 

Seguidamente, na Eslovénia, de imediato, reuniu com o Presidente, Danilo Türk, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Samuel Žbogar e com o Ministro da Defesa, Dr. Ljubica Jelušič. Durante aluns instantes, teve ainda a oportunidade de visitar o High Command of the Armed Forces onde teve a oportunidade de assistir a uma demonstração de desarmamento de material explosivo.

No dia seguinte, dia 8 de Maio de 2009, já em território Albanês, reuniu com o Presidente, Bamir Topi, com o Primeiro Ministro, Sali Berisha e com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Lulzim Basha. A vinda do Secretário Geral da Organização à Albânia teve uma importância simbólica adicional, uma vez que recebeu o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Tirana. 

Por fim, na Antiga República Jugoslava da Macedónia, encontrou-se com o Presidente Branko Crvenkovski, com o Presidente eleito, Gjorgje Ivanov, com o Primeiro-Ministro Nikola Gruevski, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Antonio Milososki e o Ministro da Defesa, Zoran Konjanovski.

Assim sendo, foram dois dias de debate, de discussão e de troca de informação intensos e extremamente cansativos, porém, consensualizou-se quanto à importância do papel da NATO nesta região. Tal como o Secretário Geral referiu em Tirana na reunião com o Adriatic Five: “I have long been convinced that Euro-Atlantic integration offers the only feasible way for Southeast Europe to move forward. That is why, throughout my tenure as Secretary General of NATO, I have been a very firm supporter of NATO’s “open door” policy. And why I was very pleased that, at our recent NATO Summit in Strasbourg and Kehl, we were able to welcome Albania and Croatia as full members of the Alliance.”

Tal afirmação e reconhecimento representa não só um sinal do sucesso para estes dois países, que muito têm trabalhado para transformar as suas aspirações em realidade, mas é também uma vitória para a própria região em si, que cada vez mais assiste a um apoio coordenado e institucionalizado da parte da NATO e também de outros importantes actores de grande relevância nível internacional, como é o caso da União Europeia, cujo principal objectivo é, acima de tudo, a garantia da estabilização desta região, “contendo” assim, o espoletar de possíveis focos de conflitos que, por muito pequenos que sejam, acabam por “minar” esta região tão instável.

Espera-se, portanto, que através de um contacto mais intenso destes países com a Organização do Atlântico Norte, e de acordo com o “útil” princípio do “Benchmarking”, seja possível a transferência de boas práticas, neste caso específico, como é óbvio, mais virado para as matérias da segurança e defesa, que permitirão os esforços conjuntos inseridos numa estratégia pre-emptiva, visando assim controlar os focos de conflitos, de discórdia, garantindo uma vida mais segura e para os cidadãos destas regiões.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

"Your call, NATO"

É importante compreender persistentemente a necessidade de uma cooperação da NATO que integre a Rússia. E a verdade é que após a cimeira de Strasburgo e de Kehl, o progresso desta aproximação parece estar num caminho muito moroso.

Como de facto este assunto se tem mostrado de grande relevância para a evolução tanto da organização e das suas missões, como é de grande relevância para a evolução da Rússia na sua integração no sistema internacional. E por isso encontrei um artigo de opinião, no The New York Times do representante permanente da Federação Russa na NATO, Dmitry Rogozin precisamente sobre a aproximação russa à organização:

"Russia and NATO both desire to step up cooperation, but their approaches differ. They affirm a mutual interest in providing security, and recognize differences on certain issues. Yet their positions on these differences also differ.

For instance, enlargement to the east is not a matter of principle for the alliance. NATO is quite satisfied with the format of partnerships the alliance is developing. NATO partners have been increasingly using “coalitions of the willing” for certain projects, for example the fight against the Taliban in Afghanistan.

The accession of new members, which often have miniscule military capabilities and permanent internal problems, only weakens the Alliance and drives it to increase expenses for the growing NATO bureaucracy. So enlargement is no longer a priority in NATO’s security policy.

For Russia, issues pertaining to enlargement, as well as the prospective deployment of American radar and ballistic missile defenses in Europe, are of vital importance. To put it in other words, those problems that have not been settled with NATO are a cornerstone of Russia’s foreign policy, while for the alliance they are just one element of its broader partnership policy. At the same time, the future and security of countries in the Euro-Atlantic space depend on the nature of Russia-NATO relations. This is the paradox of relations between Russia and the West.

All other issues pertaining to Russia-NATO cooperation derive from this contradiction, and the success of Russia’s engagement with the alliance depends on its settlement.

To truly “reset” our relations it is not enough to issue general declarations on our cooperation in the spheres where our interests converge (Afghanistan, the fight against terrorism, drugs trafficking, etc.). These would inevitably be caught in traps such as the current NATO exercises in Georgia. We cannot move forward in our relations unless the complex problems that have piled up are first resolved.

In this regard, the ball is in NATO’s court, as Russia not only says it wants to cooperate with the Alliance, but proves it in deed. In 2001, Russia unequivocally sided with the West in its fight against terrorism. Despite NATO’s stand with regard to Georgia and the freezing of the NATO-Russia Council, Russia demonstrated readiness to provide its territory for non-military transit for the needs of Western troops in Afghanistan in 2008. Our country aims at broadening cooperation with the alliance on Afghanistan, and this is a matter of principle for us. In spite of this, the Alliance has not yet made a step toward Moscow. It continues to maneuver between the declared desire to cooperate with Russia and its practical actions, which, as NATO perfectly knows, are in gross violation of Russian national security interests.

In essence, the entire future of the Euro-Atlantic region is at stake. Missing this opportunity to come to an agreement is fraught with the danger of sliding into chaos on security matters. NATO will be the first to suffer, in terms of both the security and economic stability of its member-states. If there is no political progress in relations with the West, Moscow will have to look eastward to define its foreign policy. Then the West will be faced with new economic and security difficulties.

Is this in NATO’s interests, with its operation in Afghanistan at a deadlock and no chance (as NATO allies themselves confess) of solving the Iranian nuclear problem without Russia? Is it a good idea to tease the Russian bear by continuing to support regimes in Georgia and Ukraine only so they stand ready to be used as a counterweight to Russia?

If so, security in Europe is not increasing but, on the contrary, degrading. The conflict zone between the West and Russia is being expanded artificially through no fault of Moscow.
The best way to cope with modern threats and challenges is through concerted action. Russian potential is obviously high in this regard. Time will pass, and Russia and Georgia will solve their common problems. We are neighbors sharing a long common history, we have a great number of family ties and common economic interests. Yet the problem in future relations with NATO for Russia might be the fact that NATO was able to help at a time of need, but did not want to, recklessly siding with Tbilisi’s anti-national regime.

For the time being, NATO does not seem ready to move on the decisions made at the jubilee summit at Strasbourg and Kehl insofar as re-engagement with Russia is concerned. NATO’s latest move — the expulsion of two Russian diplomats accredited to the alliance, which was announced on the day of the first formal NATO-Russia Council meeting at the level of ambassadors since last summer’s freeze — clearly runs counter to the interests of forces within NATO that aspire to normalize relations with Moscow. It is up to NATO to make a decision. As the call, so the echo."

domingo, 10 de maio de 2009

Reunião do Comité Militar da NATO

(Imagem tirada daqui)

Terminou no passado dia 7 de Maio a reunião do Comité Militar da NATO, que teve lugar em Bruxelas e, onde estiveram presentes os responsáveis pela defesa de mais de quarenta países, entre Estados-Membros e parceiros da Aliança, cujo superintendente foi o Almirante Di Paola, Presidente do Comité Militar da NATO.
Na ordem de trabalhos estiveram as operações dirigidas pela Aliança Atlântica, com particular destaque para o Afeganistão, o Kosovo e, o Golfo de Aden, tendo tido também prioridade, a discussão da necessidade de transformação militar e de desenvolvimento de uma estratégia renovada, através do debate sobre o novo conceito estratégico.
Assim, no que concerne ao Afeganistão, o Comité foi actualizado do progresso conseguido pelo exército afegão, que detém o controlo de grande parte da capital Kabul e, que participa em cerca de 80% das operações. Estabeleceu-se ainda o aprofundamento da Afghanistan National Development Strategy, para melhor treinar e monitorar as forças de segurança afegãs, preparando-as para assegurar eficazmente a segurança durante o período eleitoral, agendado para o próximo mês de Agosto, acontecimento que requer uma atenção especial, reconhecendo-se a necessidade de um aumento de tropas e das suas capacidades.
Relativamente à questão do Kosovo, foram analisados os progressos em termos de segurança na região, tendo o Comité estabelecido uma videoconferência com o General Yves de Kermabon, actualmente no comando da European Union Rule of Law Mission in Kosovo, o que reforça o envolvimento e a conjugação de esforços de ambas as instituições, na pacificação do território e no suporte às autoridades locais. Definiu-se a importância de ampliar as competências da NATO Response Force, para que possa estar apta a responder a possíveis crises imprevisíveis, tanto ao nível da defesa colectiva, como a focos de conflito interno.
Na questão da pirataria ao largo da Somália, foi consensual o entendimento em prolongar a actividade da Aliança na região, numa missão a longo prazo, cuja duração será discutida posteriormente, através de uma análise e orientação política, no âmbito da reunião prevista para Junho, ao nível de ministros da defesa.
Paralelamente a isto, representantes militares da Ucrânia e da Geórgia, reuniram-se, separadamente, com o Comité militar, tendo o mesmo considerado positivamente a vontade e determinação de ambos em participar e contribuir nas operações da NATO, encorajando à continuação do empenho e dos esforços destes dois países, na reforma dos respectivos sectores da defesa.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

A Consequência das Relações NATO-Geórgia

As relações entre a NATO e a Geórgia têm vindo a assentar principalmente na cooperação, na democracia, no campo da defesa e na ajuda para reformas institucionais. Esta parceria importuna particularmente a Rússia, que se sente incomodada com a realização de exercícios militares da Organização do Atlântico Norte a 70 quilómetros da Ossétia do Sul, palco da crise do Verão passado.
O desejo de condução de exercícios na Geórgia e a ambição do governo de Tbilissi em integrar a NATO, contribuem para a perpetuação do clima de tensão com a Rússia.
Porém, em vésperas de início de missão, o governo georgiano vem a público acusar a Rússia de promover uma insubordinação militar e instigar um golpe de Estado, visando ainda o assassinato do Presidente Mikhail Saakashvili. Os fundos seriam provenientes de Moscovo.
O governo russo pretenderia, assim, desestabilizar as acções da NATO, levando a cabo um golpe militar. O Presidente georgiano encara as acções vindas de Moscovo como provocatórias. Por sua vez, o Presidente Medvedev sustenta o facto de esta troca de provocações poder ser encarada como uma pequena escalada ao fortalecimento militar na zona do Cáucaso. Outros afirmam que se trata de um desvio de atenções face à contestação interna da qual Saakashvili é alvo.
No entanto, e perante o olhar interessado do mundo face ao Conselho NATO-Rússia, Serguei Lavrov, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, boicotou a sua presença, reforçando a debilidade da recente aproximação entre NATO e Rússia.
Em detrimento do estabelecimento das relações entre a Organização do Atlântico e a Geórgia, provém da Rússia uma postura adversa para com o “Ocidente” e um interesse de defesa dos interesses particulares do Estado. Há que ter sempre em conta o tipo de interesse e o tipo de desempenho desse mesmo, avaliando ainda os objectivos, os recursos e a preservação da auto-imagem, a reprodução de um dado território na Sociedade Internacional.
Também é importante a referência à sustentabilidade do desempenho, pois é isso que demarcará a imagem e a posição de um Estado. 
O governo russo não pode actuar como se se tratasse de uma aldeia global de mera coexistência, como se caracterizavam as velhas alianças entre Estados, nas quais resultavam uma área de protecção e uma esfera de influência. Os padrões internacionais apontam, presentemente, para uma sociedade de cooperação, e é este aspecto que Moscovo terá que entender se não quiser que se justifiquem alertas ao perigo de agressão, uma vez que NATO e Rússia poderão entrar num aceso braço-de-ferro. 
Para que haja cooperação, terá que haver flexibilidade, de modo a que as acções e as propostas não sejam entendidas como agressivas a nenhuma das partes em questão.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Organização de Cooperação de Xangai - Uma NATO para o Oriente?

O século XXI parece avizinhar o virar das atenções da sociedade internacional para uma outra área do globo, a da Ásia e do Oceano Índico, ocorrência já prevista em finais do século passado. Tal facto tem especial impacto nos interesses da Aliança Atlântica. À primeira vista poderíamos salientar a mediática questão da pirataria na Somália, contudo, o desenvolvimento das relações NATO-Rússia, com todas as implicações que estas têm no teatro do Afeganistão, actual centro das atenções da Aliança, têm sido prioritárias nos últimos tempos. Neste contexto, podemos destacar uma organização regional asiática tida por alguns como a futura NATO asiática, a Organização de Cooperação de Xangai (OCX). 

Esta organização intergovernamental de segurança, dedicada também à área económica, foi criada oficialmente em Junho de 2001 após a assinatura da Declaração da Organização de Xangai pela Rússia, China, Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Uzbequistão. Esta inclui ainda enquanto observadores a Índia, o Irão, a Mongólia e o Paquistão. A sua posição viria a ser cimentada em Julho do mesmo ano quando a Rússia e a China, os gigantes líderes da organização, assinaram o Tratado de Boa Vizinhança, Amizade e Cooperação e em 2002 com a assinatura da Carta da OCX. 
Esta organização não parece apresentar uma posição de antagonismo face à NATO, enumerando mesmo como os seus verdadeiros inimigos o terrorismo, o separatismo e o extremismo. 

Todavia, e apesar dos seus membros mostrarem o interesse no seu contínuo desenvolvimento, a verdade é que no momento esta não é comparável, enquanto organização de segurança, à NATO. Para além de não incluir qualquer cláusula que obrigue as suas partes a um compromisso militar, tem ainda como obstáculo ao seu progresso o facto de os interesses dos dois Estados que a lideram não coincidirem. A Rússia mostra-se preocupada com a defesa da sua esfera de influência e dos seus interesses energéticos, a China, por seu lado, continua empenhada em levar a cabo uma política externa marcadamente realista, pragmática e baseada na cooperação, tirando desta forma proveito de todas as plataformas disponíveis ao seu desenvolvimento. 

Na cidade de Ecaterimburgo, começou nesta segunda-feira, dia 4 de Maio, a conferência constitutiva do Conselho da Juventude da OCX (SCO Youth Council), uma iniciativa russa que surgiu em 2007, onde estão presentes representantes das várias associações de juventude dos Estados membros da organização. Na agenda está o objectivo de desenvolver uma relação de amizade e cooperação entre os seus membros e de iniciar um debate. Este, continuará na cimeira anual de Chefes de Estado da OCX, no próximo mês e na mesma cidade, a ser presidida pela Rússia. Em cima da mesa prevê-se que estará, entre outros pontos, a questão do Afeganistão, que apresenta uma progressiva ameaça e que leva a que os Estados membros desta organização tenham todo o interesse na sua estabilização, estando mesmo entre os maiores investidores neste país.

Maomé versus Rasmussen

Anders Fogh Rasmussen

Durante a Cimeira de Estrasburgo de 2009, foi nomeado oficialmente o futuro Secretário-Geral da NATO para entrar em funções ainda este ano, em Agosto: Anders Fogh Rasmussen, actual Primeiro-Ministro dinamarquês.

Aclamado por vários países europeus e pelos EUA, criticado pela Turquia e pela população muçulmana no resto da Europa.

A divergência surge precisamente pela postura do Primeiro-Ministro quando há três anos se recusou a apresentar um pedido de desculpas pela exibição de um cartoon considerado ofensivo do Profeta Maomé em vários jornais do país.

Parece que a indignação permanece e a realidade é que a Turquia tem tido uma atitude ofensiva, rejeitando totalmente a nomeação de Rasmussen como Secretário-Geral. Não só apontam os problemas causados pelos cartoons, mas também a falta de esforços em proibir a emissão do canal televisivo curdo Roj Tv na Dinamarca. Ora englobando estas convicções, a Turquia tem Rasmussen como alguém que não respeita os valores e costumes islâmicos e que isso pode dificultar as relações com a sociedade muçulmana.
A oposição turca surge precisamente num momento em que a NATO está a desenvolver fortes esforços de reconstrução do Afeganistão e no âmbito militar, onde a Turquia tem precisamente 900 soldados na missão. E esta controvérsia à volta de Rasmussen está realmente a por em causa alguns valores pelos quais a Turquia se guia e se associa à organização.
Mas a questão que aqui reside e que muitos referem, é que a Turquia, parece estar a colocar um cartoon acima do futuro da NATO. E está a levar um forte apoio da uma população muçulmana consigo.

Estamos a falar de um país com relevância no sistema internacional, que está a descurar os valores e princípios essenciais num representante da NATO em prol de uma situação que apenas tem a ver com a ponderação do relativismo cultural.
A verdade é que Rasmussen tem o apoio dos países da NATO, à excepção da Turquia, e por isso dificilmente a decisão será mudada.

Mas é preciso pensar que em situações como esta, existe uma Turquia pronta a defender os seus valores e tradições próprios sem qualquer tipo de ponderação ou tolerância para alguém que acusam precisamente de ser intolerante com a cultura muçulmana.
Existem outras prioridades, mas a realidade é que as reacções já se fazem sentir e alguns representantes europeus já põem em causa a já de si dificil entrada da Turquia à UE.
E a dúvida vai permanecendo: até que ponto é que a Turquia se pode (in)adaptar às eventualidades? Até que ponto uma organização como a NATO pode permitir uma divergência como esta quando os objectivos essenciais passam pela cooperação e integração?

terça-feira, 5 de maio de 2009

Ainda a propóstio da NATO e da Rússia

As relações NATO-Rússia estão aparentemente a deteriorar-se num período que deveria ser de grande esperança.

Com a tomada de posse do Presidente norte-americano, Barack Obama, e com a visita da Secretária de Estado, Hilary Clinton, todos estavam certos que as relações com os russos iriam tomar um rumo mais cooperante. Os mais pragmáticos diziam que mesmo que as relações melhorassem que isso levaria algum tempo e que não seria um processo livre de tensões.

Neste momento, foram expulsos alegados espiões russos, em resposta a Rússia não comparecerá na reunião do conselho NATO-Rússia agendada para o próximo dia 18. Para além disso os exercícios na Geórgia parecem contribuir para o crescimento da desconfiança russa e para a destabilização daquele país.
A grande questão que se coloca neste momento é a de saber se atravessamos apenas um momento de crise, alheio a um processo de aproximação, ou, se por outra, as relações não aparentam melhorar e que estamos a assistir uma lógica de hostilização da Rússia e uma recuperação de uma realidade próxima àquela que se assemelharia a uma nova guerra fria?

Caso seja essa a tendência, a Europa, mais do que os EUA e o Canadá, não deveriam ser os primeiros a tentar inverter isso?

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Conferência Bianual dos Directores Nacionais de Armamento na NATO

Os Directores Nacionais de Armamento dos 28 Estados-Membros da Aliança Atlântica encontraram-se, no final do mês de Abril, nos Heathquarters da Organização para mais uma Conferência Bianual (CNAD). Este encontro teve como principal enfoque a avaliação das capacidades da NATO no âmbito das suas operações no Afeganistão, Kozovo, Mediterrâneo e cada vez mais no Corno de África.

Neste seguimento, os Directores Nacionais discutiram qual o caminho a seguir nas diversas tarefas abordadas na Cimeira de Estrasburgo, nomeadamente no que diz respeito à defesa antimíssil, especificamente um estudo relacionado com o sucesso do papel do Active Layered Theatre Ballistic Missile Defence Programme (ALTBMD), visando incluir uma defesa territorial anti-míssil. Noutra questão, no Defence Against Terrorism Programme of Work (DAT PoW), os Estados-Membros da NATO estão a conduzir uma série de iniciativas com já algum sucesso.

Um outro assunto abordado, prende-se com o complemento de helicópteros para a Aliança para auxílio nas operações do Afeganistão. Aqui, os Directores Nacionais propuseram soluções a curto e médio-prazo bem como a clarificação do estatuto da Future Heavy Transport Helicopter Initiative. Para tal, Alexander Weiss, Chief Executive of the European Defence Agency (EDA), relembrou ainda a importância da colaboração entre a EDA e a NATO, uma vez que a simples aquisição de helicópteros mais não é do que um estímulo para a manutenção e aprofundamento do bom relacionamento entre ambos. Numa outra questão, relacionada com a Operação da Aliança no Corno de África (Alliance’s Operation Allied Protector off the Horn of Africa), assumiu tratamento imediato e reforçado, com o objectivo de procurar desenvolver novas capacidades, ou adaptar e maximizar as já existentes, para definir um plano para continuar assegurar a segurança nesta região. Foi ainda discutida a Reforma dos Comandos da NATO e as suas implicações para o futuro da Organização.

Mas, a conclusão fundamental que se pode retirar desta Conferência decorre do consensual apelo à cooperação entre parceiros para melhor enfrentar os desafios que têm vindo a surgir. Como tal, Peter C.W. Flory, Assistant Secretary General for Defence Investment and the Permanent Chairman da CNAD, aproveitou a oportunidade para relembrar os Directores de que, para além de se concentrarem nas prioridades imediatas, é de extrema importância continuar a olhar para as necessidades futuras. Verificou-se assim, que os Estados-Membros estão progressivamente a maximizar as suas capacidades através do trabalho em grupo ao invés das acções unilaterais, onde cada uma agia por si só sem reconhecer os benefícios da Cooperação. O próprio Secretário-geral da Aliança referiu que, “uma abordagem multinacional será a única solução viável e alcançável. É por isto que eu continuo firmemente convencido de que programas multinacionais bem conduzidos constituem a chave para melhorar as nossas capacidades, particularmente nestes tempos de constrangimentos económicos”.

Confirma-se então, mais uma vez, uma NATO atenta e adaptada aos novos critérios de actuação na “cena internacional”. Tal reconhecimento é fundamental para actores com as características da Aliança, onde o reconhecimento da sua continuidade de acção está amplamente dependente daquela que é a opinião e a imagem que as populações nutrem a seu respeito. Nesta Conferência foram abordadas matérias bastante diversas, mas que, pela sua imensa abrangência, permite que os diferentes pontos tenham um elemento em comum: o esforço da NATO em se afirmar como um actor credível, de reconhecido valor na busca da estabilização e garantia da segurança em zonas mais complexas, para que, dessa forma, seja possível garantir uma melhor qualidade de vida das populações visadas que, e apesar de fora da esfera influência da Organização continuam a precisar do seu auxílio para sobreviver.

domingo, 3 de maio de 2009

A NATO e a pirataria na Somália

O Golfo de Aden é um dos principais itinerários petrolíferos marítimos. Fazendo a ponte entre os países produtores na península arábica e a circulação no Oceano Indico é um ponto fulcral para a navegação e comércio do petróleo mundial.

O problema da pirataria ao largo da costa da Somália, junto a este importante ponto de passagem, remonta ao princípio da década de noventa, após o inicio da guerra civil e a sucessão de governos instáveis que foram delapidando a ordem interna do país. A juntar à volubilidade no corno de África, não nos esqueçamos que a Somália é assolada por uma pobreza extrema, ocupando actualmente o 190º lugar na lista do PIB per capita mundial. Esta convulsão política e social levou ao estabelecimento de diversas milícias que gradualmente assumiram o comando da orla marítima e actualmente a dominam. As milícias são compostas por piratas com instrução militar, alguns especializados em armamento pesado e por pescadores que por razões de subsistência se juntaram a este tipo de organizações.

O fenómeno da pirataria tem vindo a tomar proporções alarmantes que já há algum tempo preocupam a comunidade internacional. Em 2008 o governo somali começou a tomar medidas para o combate a estes ataques, no entanto tais medidas têm-se mostrado ineficazes e os apelos aos países vizinhos e organizações internacionais como a NATO têm-se sucedido. No ano passado, registaram-se mais de 40 sequestros a navios de diversas nacionalidades em que a carga é apreendida e vendida pelos piratas e os marinheiros são tomados como prisioneiros e retidos até ser pago um avultado resgate.

A NATO está presente na Costa da Somália desde Outubro de 2008. Em Março, a fragata portuguesa Côrte-real assumiu o comando da força naval da NATO nesta zona. Actualmente com 5 barcos nesta região, a NATO alarga a sua esfera de intervenção e cooperando com as marinhas da India, Russia, China e Irão assegura a circulação neste ponto crítico de navegação.
No entanto os ataques sucedem-se e na passada sexta-feira (1 de Maio), a fragata Côrte-real conseguiu impedir um ataque ao navio “Kition”. Depois de uma perseguição a alta velocidade, os piratas foram interceptados e desarmados. Tinham em sua posse granadas, dinamite e armas automáticas.

Com a intervenção internacional focada especialmente no Golfo de Aden, os piratas somalis têm alargado o seu espectro de acção para as costas dos países vizinhos e nada faz prever um abrandamento do sequestro de navios, já que poucas horas depois do ataque falhado ao “Kition”, o assalto ao “Ariana” foi bem sucedido.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

As relações NATO-Rússia

Com o fim da Guerra Fria, o desmembramento da União Soviética e a desintegração do Pacto de Varsóvia, os países membros da NATO estabeleceram como uma das prioridades o desenvolvimento das relações com a Rússia, através de um diálogo contínuo e da cooperação em interesses comuns.
As relações formais tiveram início em Maio de 1997, com a assinatura em Paris do Acto Fundador das Relações, da Cooperação e da Segurança, em que ambas as partes não se consideram como adversárias, expressando o objectivo de construir uma paz comum. A partir daqui, foi atingido um progresso considerável em termos de criação de confiança mútua, que se traduziu num extenso programa de cooperação e consulta.
No entanto, a parceria viria a ser abalada em 1999, aquando das divergentes posições acerca da questão do Kosovo, tendo a Rússia suspendido a sua participação no Conselho Permanente, facto que viria a ser prontamente ultrapassado com o retomar de relações em 2000, por força da eleição de Vladimir Putin, que expressou de forma clara a intenção de recuperar os esforços até então alcançados.
Em 2002 foi criado o Conselho NATO-Rússia, através de uma declaração baseada no Acto Fundador, vindo tal facto contribuir para o reforço do clima de confiança, uma vez que intensificou a periodicidade das reuniões, demonstrando vontade política de ambas as partes, o que possibilitou uma série de iniciativas conjuntas que caracterizam uma cooperação mais concreta e conclusiva. Este Conselho tem sido assim o mecanismo mais produtivo, constituindo o principal pilar desta relação. As respectivas reuniões são presididas pelo Secretário Geral da NATO, sendo que pelo menos uma vez por mês ocorre ao nível de embaixadores e de representantes militares e, duas vezes por ano a nível ministerial. Sendo o consenso o objectivo principal nas matérias classificadas como interesse comum, tanto a NATO como a Rússia se reservam no direito de agir de forma unilateral.
Apesar da sua evolução positiva e das perspectivas de futuro e desenvolvimento, esta aproximação não deixa de ter os seus altos e baixos. Na passada quinta-feira, um dia após a reunião do Conselho NATO-Rússia, foi notícia a expulsão de dois membros da missão diplomática russa na sede da Aliança Atlântica em Bruxelas, sob suspeita de actos de espionagem, alegadamente relacionados com o caso de um diplomata estónio que se encontra de momento a cumprir pena de prisão. Moscovo reagiu de imediato, negando qualquer envolvimento dos seus diplomatas em tais actos, deixando a promessa de uma resposta dura e determinada, pois considera a atitude da Aliança como provocatória.
No entanto, esta não é a única questão em cima da mesa. A NATO veio publicamente condenar os acordos assinados entre a Rússia e os líderes separatistas das regiões da Ossétia do Sul e da Abkházia, que ditam a tutela moscovita sob as fronteiras destes territórios. O acto foi classificado como uma violação do cessar-fogo acordado em Agosto passado entre a Rússia e a União Europeia aquando da crise na Geórgia. É precisamente na Geórgia que no próximo dia 6 de Maio irão realizar-se exercícios militares da Aliança Atlântica, facto este que, como esperado, mereceu a condenação dos responsáveis russos.